Capa da notícia
Senac Saber

Conheça os problemas de pele mais comuns causados pelo uso da máscara

Profissional orienta sobre cuidados e prevenção neste momento de pandemia, em que o uso da máscara é indispensável

A máscara facial, item mais recomendado pela Organização Mundial da Saúde para a prevenção ao contágio da Covid-19, traz o benefício da proteção, mas em contrapartida acarreta algumas alterações na pele do rosto. O momento Senac Saber conversou com a coordenadora do curso superior de Estética e Cosmética da Faculdade Senac Goiás, Kézia Fernanda Martins Cavallini, que explicou detalhes de como essas lesões são causadas e o que pode ser feito para preveni-las, visto que o uso da máscara é indispensável para a segurança de todos. 

Cavallini explica que o principal problema causado pelo uso frequente da máscara é a acne, que surge a partir da obstrução dos poros. “O rosto possui aproximadamente 300 mil poros, que são pequenos orifícios por onde saem os pelos e também a oleosidade. Nós temos glândulas sebáceas que produzem sebo, que é a oleosidade natural, com a finalidade de proteção da pele. O uso constante da máscara e o contato da mesma com a região do nariz e ao redor da boca, faz com que seja um ambiente constantemente quente e úmido, impedindo que os poros respirem, impedindo que haja troca de calor entre a pele e o ambiente”, detalha.

O ambiente quente e úmido somado às bactérias naturais da superfície da pele acabam por favorecer o aparecimento de acne, conhecida popularmente por cravos e espinhas. A coordenadora conta que já existe até mesmo um novo termo para o problema, maskne, que associa as duas palavras, máscara e acne.

“Algumas empresas do segmento de cosméticos, principalmente empresas japonesas e europeias, já lançaram uma linha para o controle da oleosidade da pele em decorrência do uso de máscara”, diz Cavallini. 

Além da acne, outra lesão de pele que pode surgir em decorrência do uso constante da máscara é a rosácea. “A rosácea se dá quando a pele fica muito avermelhada em decorrência do excesso de oleosidade e de uma irritação. O contato constante entre o tecido da máscara e a pele acaba ocasionando pequenas fissuras que são imperceptíveis a olho nu, mas que por elas acontece uma penetração maior de bactérias. A rosácea causa também a irritação da camada superficial da pele, que pode ficar mais avermelhada, pode apresentar uma irritação constante e uma hipersensibilidade ao sol no momento em que a pessoa tira a máscara”, explica a coordenadora.

Prevenção e cuidados

Como o momento de pandemia requer que todos façam o uso contínuo da máscara, uma vez que o contágio é feito pelas vias aéreas e mucosas, a solução é minimizar os danos causados à pele. Kézia Cvallini apresenta três medidas que vão ajudar a prevenir esses danos e manter a pele da face bem cuidada.

1 – Diminua o uso de cremes, loções ou hidratantes faciais que sejam muito espessos ou grossos. Aqueles que são de uso no dia a dia, mas que usaríamos em uma realidade sem máscara. A recomendação é que se faça o uso de hidratantes a base de água, que seja mais leve. Observe no rótulo dos produtos, os ingredientes que foram usados. O uso de um hidratante mais fluido vai diminuir a oclusão aos poros. 

2 – Ao final do dia, na hora de fazer a higiene pessoal, use um esfoliante leve na região da face. A esfoliação deve ser leve porque se a pessoa fizer esfoliação todos os dias com um esfoliante pesado, acaba por aumentar a irritabilidade da pele naquela região, o que contribuirá para o aparecimento de mais lesões. 

O uso de um esfoliante fluido, a base de água, contribui para a abertura dos poros. A esfoliação leve remove a camada superficial da pele, que é composta por células mortas, desobstrui os poros e contribui para que a pele respire e para que a oleosidade natural da pele volte para a região em volta do nariz e da boca.

3 – Usar protetor solar também é importante, desde que também seja um produto mais fluido, leve e menos viscoso.

“Com esses cuidados, certamente a pele terá menos lesões e sofrerá menos com o uso frequente da máscara”, garante Cavallini. 

A coordenadora do curso de Estética e Cosmética da Faculdade Senac Goiás destaca a importância do uso da máscara apesar das lesões que podem aparecer. “Essas lesões de modo algum devem fazer com que você deixe de usar a máscara, pois ela serve para prevenir um problema muito maior”, orienta.

Caso perceba o aparecimento de lesões que sejam mais graves ou que estão causando incômodo na parte estética ou até mesmo dor, você deve procurar um dermatologista ou um esteticista. 


Gostou dessa matéria? Você tem sofrido com alguma lesão de pele em decorrência do uso da máscara? Compartilha sua experiência com a gente em nossas redes sociais no Facebook e Instagram.

Ver todas as notícias
Voltar para o topo
Atendimento On-line Segunda a sexta: 8h às 17h