Capa da notícia
Setembro Amarelo

Como identificar comportamentos suicidas e ajudar pessoas com sinais

Psicóloga explica que não existe fórmula, mas aponta quais sinais devem ser observados. Acolhimento e ajuda profissional são fundamentais

Você sabia que é possível identificar comportamentos suicidas e ajudar pessoas com esses sinais? Esse é o tema do Momento Senac Saber de hoje, que neste mês entra na campanha Nacional Setembro Amarelo, de prevenção ao suicídio. 

O comportamento suicida está relacionado ao ato de causar dano ao próprio corpo, com a intenção de tirar a própria vida. A psicóloga Débora Simão Lima explica que não existe uma fórmula para identificar esse tipo de comportamento, visto que cada ser humano sente as emoções de uma forma muito particular. “No entanto”, destaca a profissional, “existem alguns sinais de alerta, como a tristeza, o isolamento e a mudança brusca de comportamento”.  

Débora explica que os comportamentos suicidas também podem estar associados a transtornos mentais, como depressão, transtorno bipolar e outros transtornos psicológicos. O que não significa que pessoas com esses transtornos tenham tendência ao suicídio.   

“Existem alguns fatores de risco, como situação atual ou anterior de violência intra ou extrafamiliar, histórico de suicídio na família, uso de álcool e outras drogas, bullying e outros”, afirma a profissional. 

Quanto mais próxima for a pessoa, mais fácil se torna perceber a mudança comportamental. “Isolamento, deixar de sair, perder o interesse de fazer atividades que costumava gostar, mudanças na qualidade do sono, evitar interações sociais, tristeza profunda, desânimo, falta de esperança, alterações de humor, mudanças nos hábitos alimentares, comer mais ou menos do que o usual, tudo isso pode ser sinal de alerta”, afirma. 

Débora ressalta que esses comportamentos precisam ter uma constância e que se apresentados de forma isolada não significam que a pessoa tenha tendência suicida. 

Ajuda 

Para ajudar pessoas com comportamentos suicidas é fundamental ter uma postura acolhedora. “Fornecer escuta, não desqualificar a dor do outro, não duvidar sobre os relatos, comunicar a rede de apoio e buscar ajuda de um profissional, psicólogo ou psiquiatra”, destaca Débora.  

A ajuda profissional é outro ponto de atenção. Ao contrário de ser um “ombro amigo”, o profissional capacitado vai auxiliar a pessoa no enfrentamento dos problemas e a lidar com as emoções, ampliando as possibilidades de resolução. 

“Quem comete suicídio não quer tirar a vida, quer se livrar da dor e da angústia. O profissional capacitado vai auxiliar nesta questão”, afirma Débora Simão. 

Momento Saber 

Confira a programação das próximas edições especiais do Momento Sesc Saber: 

20/09 - Educação emocional para criança e adolescentes 

27/09 - Prevenção ao suicídio para idosos 


Atendimentos psicológicos em Goiânia 

Atendimento gratuito: 

Clínica Escola – CEPSI – PUC-GO
Tel: (62) 3946-1198/ (62)3946-1249 whatsapp
Agendamento todo início de semestre 

Núcleo de Psicologia Aplicada – Universo
Tel: (62) 3238-3719
E-mail: universonpa@gmail.com 

Valor Social: 

Rede de Psicologia
Tel: (62) 3922-3204 / (62) 98294-4445 whatsapp 
 Armazém de Dentro
Tel: (62) 3922-3902 / (62) 98163-7514 whatsapp 

ITGT
(62) 3941-9798 

IGAC
(62) 3223-9896 / (62) 98180-5953 whatsapp 

Espaço Neuropsi
(62) 99441-7370 

Instituto Skinner – valores partir de R$ 80
(62) 3609-0942 / (62) 98148-1881 whatsapp 

SOGEP – valores negociados
(62) 3941-9033


Ver todas as notícias
Voltar para o topo
Atendimento On-line Segunda a sexta: 8h às 17h